sexta-feira, 20 de abril de 2018

Lançado em Limoeiro do Norte o Livro Caixinha de Memórias




A solenidade de lançamento do livro Caixinha de Memória, de autoria da escritora limoeirense Arlene Holanda aconteceu na tarde de quinta feira 19, no auditório do CVT-Limoeiro. a oportunidade, se fizeram presentes, a secretária de educação do município  de Limoeiro do Norte, a primeira dama Arivan Lucena, o deputado George Valentin, dentre outras autoridades.
A formatação da obra faz parte de um trabalho realizado em conjunto com alunos, professores, ecritores e comunidades e faz um passeio pela história social de Limoeiro do Norte, da colonização aos anos 60 do Século XX, a partir das origens, brincadeira, folguedos, religiosidade, alimentação ofícios, moradias, educação e costumes

quarta-feira, 18 de abril de 2018

Simaria ficará afastada 30 dias dos palcos: Cantora sofre de tuberculose ganglionar


A cantora Simone deve se apresentar sozinha nos palcos de eventos ag.endados nos próximos 30 dias. Simaria está afastada dos shows por um mês devido ao diagnóstico de tuberculose ganglionar. “A paciente Simaria Mendes Rocha deu entrada no Hospital Sírio-Libanês no dia 12/04 com queixa clínica de emagrecimento, alterações gastrointestinais e estafa devido a agenda intensa de compromisso”, diz o comunicado da assessoria das irmãs. Apesar do susto, ela recebeu alta hospitalar nesta terça-feira (17).
“Realizados exames laboratoriais que mostraram anemia e durante investigação específica ficou evidenciado aumento do gânglio supraclavicular à direita. Feita avaliação histopatológica que diagnosticou reativação de tuberculose ganglionar”, aponta o diagnóstico de Simaria. Ela continuará tratamento em casa, sendo acompanhada pelo Prof. Dr. Roberto Kalil Filho e pelo Prof. Dr. David Uip.
Agenda
A irmã Simone segue cumprindo a agenda de shows normalmente e, em maio, as cantoras mantém as férias já programadas. “Simaria agradece o carinho e compreensão de todos os fãs e, neste momento, irá dedicar os seus dias para cuidar da saúde”, conclui a nota. Vale destacar que as irmãs iriam se apresentar juntas no Garota Vip Fortaleza, mas apenas Simone segue no show.O nosso desejo de melhoras e retorno rápido aos palcos.


PuxaoFole

Preservar a cultura do forró
Ao realizar o Fórum Forró de Raiz, o Sesc carioca encampa a luta em defesa dessa manifestação cultural

O Ceará entra na peleja para tornar o forró - que não constitui um único ritmo musical, mas vários, a exemplo do xaxado, do xote, chamego, baião e coco, todos nascidos no Nordeste - Patrimônio Cultural Imaterial Brasileiro.
A realização do Fórum Forró de Raiz está previsto para acontecer em Fortaleza e Juazeiro do Norte, no mês de julho, conforme informa Marcus Lucenna, poeta-cantador e militante da cultura nordestina. Ele explica que a batalha pelo registro junto ao Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan) se arrasta há pelo menos sete anos.
A batalha começou em 2011, quando Joana Alves, principal articuladora do Fórum Nacional do Forró de Raiz, deu entrada no processo. Marcus Lucenna destaca o apoio que o Serviço Social do Comércio (Sesc) está dando à causa. De 26 a 28 de abril, o Rio de Janeiro, segundo Estado a registrar maior concentração de nordestinos, realizará o Fórum Forró de Raiz. O evento terá início com a realização de audiência pública, das 9h às 12h, no Sesc Ginástico, na Tijuca, encerrando com show-manifesto, dia 28, na Feira de São Cristóvão, que contará com a apresentação de 20 artistas e grupos musicais.
As discussões envolverão tanto artistas quanto outros membros da cadeia produtiva, desde representantes de gravadoras até especialistas em direito autoral.
O processo de reconhecimento de um bem cultural é longo e envolve diversas etapas, sendo necessário também recursos. "O Iphan ficou sem dinheiro", admite Marcus Lucenna, cabendo ao Sesc a realização dos fóruns, que significa a retomada do pleito.
"É preciso buscar os territórios, gravar audiovisuais e depoimentos de quem conviveu com os artistas", detalha o músico, que também acompanha os trabalhos para tornar a literatura de cordel patrimônio imaterial - segundo ele, em fase de finalização.
O mesmo não ocorre com o forró, cujo processo ainda é considerado "incipiente", com apenas 10% ou no máximo 15% das atividades concluídas, revela Marcus Lucenna.
Articulação
A expectativa é que os fóruns sejam realizados até o fim deste ano. No momento, o poeta-cantador conclui o livro "As aventuras de Marcus Lucenna na corte do rei Luiz", que conta a história do forró, editado pela cearense Imeph. O lançamento será na Bienal Internacional do Livro de São Paulo.
"O Rio de Janeiro não poderia ficar fora dessas ações", afirma Luiz Gastão Bittencourt da Silva, interventor do Sesc carioca, e presidente da Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado do Ceará (Fecomércio), justificando ser o Estado o segundo destino de nordestinos no País.
O objetivo da articulação, que constará de mesas-redondas com a participação de artistas, pesquisadores e profissionais reconhecidos nacionalmente pela sua atuação na cadeia produtiva do forró, é reforçar a batalha em defesa do reconhecimento do Iphan em reconhecer o forró como bem cultural imaterial.
Luiz Gastão Bittencourt garante que "a partir da realização do fórum, o Sesc vai abraçar essa ação", completando que serão mobilizadas todas as unidades da instituição no Brasil. A ideia é que seja redigido documento oficial, após a realização da audiência pública, seminário e mesas-redondas, que acontecerão na unidade Sesc Tijuca.
O material embasará o pedido no IPHAN, juntando-se à documentação do movimento nacional em torno da causa.
Modernização
O forró não constitui um gênero musical, esclarece Marcus Lucenna, que acompanha todos os passos do processo. Ele explica que o termo forró se refere aos locais onde as pessoas se juntam para apreciar a música nordestina, composta por vários ritmos - entre eles xaxado, xote, baião e coco.
Ele surge no século XIX, mas só ganhará popularidade nos anos 1950, ao animar festas através de cantores e compositores como Luiz Gonzaga, Jackson do Pandeiro, Marinês e João do Vale.
No início, o chamado forró de raiz contava apenas com sanfona, triângulo e zabumba. A modernização veio nos anos 1990 com o "forró eletrônico" e o "forró universitário".
Marcus Lucenna reconhece que o forró de raiz necessita de proteção, sugerindo a criação de políticas públicas. "Esse outro forró é midiático e os artistas ganham cachês milionários. Estamos falando do tipo que contém o arquétipo dessa manifestação cultural".
Na sua opinião, esses grupos que tocam o "forró de raiz" ainda resistem. Hoje, se grava melhor, em função dos recursos da tecnologia, e os músicos têm melhor formação. Agora sabem ler partituras, o que não acontecia antes. "Houve um crescimento desse tipo de forró herdeiro da poética de João do Vale, Luiz Gonzaga e Marinês", frisa.
Clássicos
No livro, o autor falará sobre a história do forró, tendo como referencial sua trajetória artística. Filho e neto de nordestinos, Marcus Lucenna migrou para o Rio de Janeiro nos anos 1970, considerado o auge da migração nordestina na capital fluminense.
"Na época, estavam construindo o metrô e a ponte Rio-Niterói. Era preciso a criação de espaços para esse povo se divertir. Eles iam para os forrós de quinta a domingo. Inclusive fui atração desses espaços", relembra.
A publicação promete contar a incursão do forró no Rio de Janeiro, nas últimos quatro décadas, resgatando compositores como João do Vale, Catulo da Paixão Cearense, Zé do Norte e Luiz Wanderley, autor da música "Matuto Transviado (Coroné Antônio Bento)", que ficou conhecida na voz de Tim Maia. O paraibano Zé do Norte foi autor da trilha sonora do filme "O cangaceiro" (1953), de Lima Barreto, premiado no Festival de Cannes. "O filme globalizou a música brasileira", conta.
Debate itinerante
Marcus Lucenna adianta ainda que um fórum semelhante acontecerá em São Paulo - a intenção, na verdade, é levar a discussão para 14 estados (além dos nove da região Nordeste, estados que concentram grande número de nordestinos).
Para a obtenção do reconhecimento de um bem cultural como Patrimônio Imaterial Brasileiro é preciso comprovar que o mesmo possui continuidade histórica e tem relevância nacional para a memória, a identidade e a formação da sociedade brasileira.
No caso do forró, a solicitação partiu da Associação Cultural Balaio Nordeste, da Paraíba, em 2011. Uma das determinações acertadas foi a realização de fóruns. O primeiro aconteceu em 2015, na cidade de Pessoa, Paraíba.
Na ocasião, foram definidas as diretrizes para a Instrução Técnica do Registro das Matrizes do Forró, uma das etapas do processo.
Os resultados das discussões do Rio - adicionadas àquelas realizadas em outras localidades por onde o fórum passará a partir de agora - vão compor um dossiê sobre o forró de raiz. Trata-se de uma vasta documentação que inclui ainda registros audiovisuais, uma pesquisa etnográfica e um inventário, entre outros conteúdos. O material será entregue ao Iphan.
O Fórum Forró de Raiz começará essa cruzada. Na sequência, unidades do Sesc pelo estado receberão até dezembro uma intensa programação envolvendo a temática. Shows, espetáculos teatrais, artesanato, oficinas e exposições vão jogar luz sobre o assunto, associados à cultura que enriquece todo o cenário brasileiro.
 DiáriodoNordeste


Irajá Pinheiro faz um relato dos  60 anos da Coluna da Hora de Limoeiro do Norte.

Na manhã de quinta feira 05, o historiador e poeta limoeirense Irajá Pinheiro participou de entrevista na tvjaguar, onde fez um relato histórico da coluna da hora, no centro da cidade de Limoeiro do Norte que em 2018 completa 60 anos da sua construção.
De acordo com Irajá Pinheiro, antes da construção da Coluna da Hora, havia na Praça Capitão João Ennes, um Obelisco, cujo monumento fora erguido em 1871, em homenagem ao cinqüentenário da Vila Limoeiro e ao intendente  João Ennes da Silva, em reconhecimento pelo brilhante serviço prestado. O historiador relembra ainda que a idéia da homenagem foi do então prefeito Custódio Saraiva de Meneses que promoveu uma grande festa.

A construção da Coluna da Hora, em substituição ao obelisco, salientou Pinheiro, ocorreu mesmo em 1958, na gestão do prefeito Sabino Roberto de Freitas, tendo sido a mesma, uma das primeiras providências do então gestor. Irajá Pinheiro aproveitou o ensejo para ressaltar que a Praça Capitão João Ennes, passou a ser um ponto de encontro da sociedade limoeirense que passou a frequentar mais o local para trocar idéias, sentados nos bancos de cimento construídos no entrono da Coluna da Hora.
Ainda em conformidade com o historiador, tanto o antigo obelisco quanto a Coluna da Hora serviram como fonte de inspiração para os poetas populares da região, com destaque os sapesistas, a exemplo do  poeta Valdir Sombra que escreveu o livro “Os poetas lá de Nós”, onde poeta enfatiza em prosa e versos, os acontecimentos no entorno da Praça Capitão João Ennes, sempre com o olhar voltado para o monumento.
O senhor Edmar, popularmente conhecido como (Moreu) também relembrou alguns momentos vividos por ele, no ágio sua juventude, quando também freqüentava à referida praça, seja nos momentos festivos como as festas de natal e ano novo, ou, ainda para um momento de prosa com amigos da época que costumavam ir ao local. Moreu relembrou ainda do em que foi dado inicio á construção da Coluna da Hora e do momento da inauguração, no final de 1958.


Fonte:tvjaguar




segunda-feira, 16 de abril de 2018

Simaria está internada há cinco dias


A cantora Simaria está internada desde a última quinta-feira (12). Ela chegou a se ausentar em três apresentações nas cidades de Rondonópolis (MT), Itapetininga (SP) e Vitória (ES). Conforme a assessoria das cantoras, Simaria já realizou vários exames, mas ainda não possui diagnóstico. Em um dos shows que ela faltou, o motivo teria sido um alimento que a fez a passar mal. Simone vem se apresentando sozinha desde a ausência da irmã.
Não é a primeira vez que Simaria adoece. Em novembro do ano passado, as coleguinhas tiveram de cancelar seis apresentações por problemas de saúde com a cantora. A vocalista foi diagnosticada com infecção aguda de vias aéreas superiores.
Vale lembrar que as irmãs estão com show marcado para Fortaleza, no sábado (21). Elas são atração do Garota VIP.
PuxaoFole

domingo, 15 de abril de 2018

Simaria passa mal antes de Show: Simone se apresenta sozinha

A cantora Simone se apresentou sozinha na edição 2018 do Villa Mix Belo Horizonte. Conforme a assessoria da dupla, Simaria passou mal após comer um alimento não revelado. Nas redes sociais da dupla, os fãs parabenizaram o empenho de Simone e desejaram melhoras para Simaria.
Segundo a assessoria das cantoras, a vocalista já está bem. A dupla participa, neste domingo (8), da final do programa The Voice Kids da TV Globo. A participante Eduarda Brasil é finalista do time das coleguinhas.
Fortaleza
No dia 21 de abril, as coleguinhas estarão na Capital cearense. Elas se apresentam no Garota Vip. Estão confirmadas também as participações de Léo Santana e, pela primeira vez no Ceará, o cantor Gustavo Mioto.
Fonte:Puxa o Fole

quinta-feira, 12 de abril de 2018

Entretenimento: álbum de figurinhas da copa do mundo movimento o comércio em Limoeiro do Norte



Proprietarios de bancas de jornal de Limoeiro do Norte comemoram o sucesso na venda do album de figurinhas da Copa do Mundo de 2018.
No centro da cidade, o pointer dos colecionadores e apaixonados pela prática de colecionar figurinhas e a banca do Gilson, situada na Praca da Matriz, onde aos domingos, os colecionadores se encontram para comprar ou trocar figurinhas.